Nenhum banner cadastrado

Nenhum banner cadastrado


Guarda Compartilhada – É sempre obrigatória?

“Vamos nos separar….. não dá mais. Mas quem ficará com as crianças?”

Essa é uma questão que em muitos momentos surge na cabeça de mães ou pais que após reconhecerem o final de seu relacionamento deparam-se com os dilemas do dia a dia e com a indagação de como será essa “nova vida” em relação à convivência com seus filhos.

A atual obrigatoriedade da guarda compartilhada em muitos casos tem sido um sucesso e revelado comportamentos extremamente positivos nessas novas relações. Porém, pode ser que a sua realidade não se dê assim: Seu ex-cônjuge não tem condições de ficar com as crianças. “Mesmo assim terei que compartilhar a guarda dos meus filhos? ”

Nesse caso, havendo inaptidão para o exercício de direitos e deveres por parte de um dos cônjuges e desde que essa condição seja efetivamente provada ao Juiz responsável pela definição da guarda, é muito provável que haja a decretação da guarda unilateral (somente da mãe ou do pai).

Tudo irá depender, é claro, da análise detalhada dos fatos e das provas apresentadas, assim como do convencimento do Juiz de que essa inaptidão trará prejuízos aos filhos, pois o que se pretende preservar sempre é o melhor interesse das crianças!

Por Carina Abud Alvarenga | advogada parceira 

carina@escritorioagree.com.br