Nenhum banner cadastrado


Seus Direitos

Dicas jurídicas sobre diversos temas de direito de família em linguagem acessível para uma decisão segura.

Conte seu Caso

Quem nunca passou por um problema familiar? Sua experiência pode ajudar outras famílias.

Clique Aqui
blog
O custo de ser princesa

 O polêmico príncipe Harry se encantou pela atriz Meghan Markle e sua carreira pode estar com os dias contados caso ela [...]

Leia Mais
A Guarda Compartilhada reduz o valor da pensão? E agora, Lúcia?
 

Blog

  • por Lucia Deccache
  • Enquete
  • O que vc faria se amasse alguém fora do casamento?
    Loading ... Loading ...
Filiação, Guarda e Visitas
9 de fevereiro de 2014
Mia Farrow X Woody Allen
De que lado está a covardia?
Enviado por Lucia Miranda

Finalmente Woody Allen se defende da acusação de abuso sexual contra a filha Dylan Farrow. Na semana passada, Dylan publicou uma carta aberta no NY Times contando detalhes do dia em que teria sido abusada pelo cineasta, enfrentando alguns atores hollywoodianos que atuam em seus filmes. – “E se fosse a sua filha Alec Baldwin?”

Aos 74 anos de idade, casado há 16 anos com enteada (filha adotiva de Mia), Woody Allen resolveu contar sua trajetória como vítima de alienação parental, que sofre pelo afastamento dos filhos causado pela mãe e acusa Mia de crime de falsa denúncia por ter forjado uma imagem de pedófilo para garantir a guarda exclusiva dos filhos.

O filho adotivo Moses Farrow também fez parte da trama e saiu em defesa do pai confirmando os atos de Mia Farrow como uma verdadeira lavagem cerebral contra Woody Allen.

Não dá para dizer quem está certo ou errado, mas já deu para ter um outro olhar sobre o cineasta…

No Brasil, a lei define alienação parental como atos de quem tem a guarda ou autoridade sobre a criança para que repudie o genitor ou que prejudique o vínculo afetivo com este. Dependendo da gravidade da alienação, o juiz pode determinar multa, alterar a guarda e até suspender a autoridade parental.

Basta saber se, neste filme da vida de Allen, os filhos foram realmente interpretados por fantoches, cujas falas repetem mentiras criadas pela mãe… cenas de uma vida que não volta mais.

Faltam caracteres.

aviso

  1. Denilson Monteiro disse:

    Só uma correção, Soon Yi não é filha adotiva de Woody Allen, ela é filha de Mia e do ex-marido dela, André Previn. O que aconteceu foi que ele acabou se envolvendo com a filha da namorada – ele também não era casado com Mia -, assim como acontece nas telenovelas e todo mundo acha muito natural. O que acho muito desagradável é Mia Farrow vir a público para brincar com a paternidade do filho, dizendo que ele pode ser de Frank Sinatra. Não é atitude de uma mãe tão preocupada com os filhos, imagem que ela sempre procurou passar.

    • Lucia Deccache disse:

      Isso Denilson, Soon Yi não foi adotada por Woody Allen, mas eles tinham uma relação de padrasto e enteada. Ademais, Mia não era casada com Woody Allen, mas tb não era apenas namorada. Eles tinham uma relação sólida de união estável e seu companheiro tinha relações com sua filha adotiva… mas alienação parental não merece defesa! Nada justifica tais atos covardes. Obrigada pela correção. Abraço, Lúcia Deccache.

Divisão de Patrimônio, Divórcio, Guarda e Visitas
5 de novembro de 2013
Quem não tem cão briga com gato(a)
Enviado por Lucia Miranda

Tudo corria bem na separação de Cauã Reymond e Grazi Massafera. O casal concordou com as condições sobre a guarda da filha, quanto à pensão, etc. Mas quando o assunto é cachorro… o ‘bicho pega’!

Nossa lei trata animal como objeto e desconsidera sentimento, afeto ou cuidado, contra os anseios da sociedade atual. É que muitos desses pets são tratados como verdadeiros membros da família e, quando o casal se divorcia, não se conforma em tratá-los como parte do patrimônio a ser dividido. Pela letra da lei, com a separação do casal, o cão fica com um e o outro não tem sequer direito a visitas, correndo o risco de nunca mais vê-lo.

Existe um projeto de lei tramitando no Congresso Nacional que trata do assunto, determinando a guarda exclusiva do animal de estimação para quem constar no registro de propriedade ou, na falta deste, para quem demonstrar maior capacidade para os cuidados com o bicho. Mesmo nesses casos, haverá o direito de visita de quem se afastou e, ainda, a possibilidade de guarda compartilhada. Já existem decisões neste sentido, inclusive com o acréscimo no valor da pensão para os gastos com o animal.

Cauã argumenta que a decisão deve levar em conta o sentimento dos cachorros, ou seja, a quem eles demonstram maior afeto (ele, claro!). Grazi discorda e diz que os cães são a alegria da filha.

Sábio Rei Salomão…

Faltam caracteres.

aviso

  1. silvia lakatos varuzza disse:

    Tem um monte de animais esperando por adoção nos CCZs e abrigos de ONGs. Sem falar daqueles que perambulam pelas ruas! Por que os bonitinhos não adotam logo uns cinco cachorros cada um? Os animais agradeceriam! E o coitado que está sendo “disputado” vai ter um grande alívio se puder ser “apenas” um cachorro, e não um “cão-celebridade”.

Divisão de Patrimônio, Guarda e Visitas, Traição
26 de março de 2013
Cachoeira entre algemas e alianças…
Enviado por Lucia Miranda

Andressa Mendonça mergulhou de cabeça nas águas de Cachoeira, antes mesmo do fim do casamento com o senador Wilder Morais.

Como a traição não traz qualquer reflexo para o divórcio, Andressa ficou com a guarda dos filhos e sua parte na partilha de bens, valor suficiente para virar empresária no ramo de lingerie fina. Pena que o vestuário não era apropriado às visitas íntimas no xilindró, pelo tempo em que Cachoeira cumpriu parte da pena de prisão decorrente da operação Monte Carlo.

No momento, o contraventor está solto para recorrer em liberdade, mas o habeas corpus não foi eficiente para livrá-lo do matrimônio, organizado às pressas pela mulher. Calma Andressa!

Parece até que já sabiam do posterior bloqueio de mais de R$100 milhões em bens distribuídos entre laranjas e empresas fantasmas. Digo isso, pois o casamento com pacto antenupcial de separação de bens pode ser uma ótima forma de proteger alguns bens, se colocados em nome da esposa. Aliás, usar o nome do cônjuge e do cunhado para este fim parece não ser nada inédito para Carlos Cachoeira…

Ah, quanto ao Senador Wilder, apesar de amigo de Cachoeira, entrou na vaga de suplente do ex-senador Demóstenes Torres, que teve o mandato cassado por ser amigo de Cachoeira… deixa pra lá.

Nenhum comentário
Faltam caracteres.

aviso