Nenhum banner cadastrado


Seus Direitos

Dicas jurídicas sobre diversos temas de direito de família em linguagem acessível para uma decisão segura.

Conte seu Caso

Quem nunca passou por um problema familiar? Sua experiência pode ajudar outras famílias.

Clique Aqui
blog
O custo de ser princesa

 O polêmico príncipe Harry se encantou pela atriz Meghan Markle e sua carreira pode estar com os dias contados caso ela [...]

Leia Mais
A Guarda Compartilhada reduz o valor da pensão? E agora, Lúcia?
 

Blog

  • por Lucia Deccache
  • Enquete
  • O que vc faria se amasse alguém fora do casamento?
    Loading ... Loading ...
Traição
11 de dezembro de 2013
A tromba de Michelle Obama
Enviado por Lucia Miranda

Enquanto o céu se abriu para Nelson Mandela, o tempo fechou para Michelle Obama. Em plena festa de homenagem ao ícone da luta contra o Apartheid, o presidente americano negro optou por se divertir com a loira, premier da Dinamarca.

Apesar da aparente e respeitosa paz selada entre Obama e Ariel Castro, no mundo de Michelle, a guerra entre Estados Unidos e Dinamarca havia começado. Só que a primeira dama usou a pior arma para conquistar seu território: a tromba!

A estratégia separatista da Sra. Obama, em sentar-se no meio dos divertidos chefes de governo, serviu para o cessar fogo do casal, mas a tromba permanecia apontada para o inimigo número um… ou dois. Sim, pois a essa altura a guerra já estava declarada dentro de casa. Se prepara Obama, pois essa paz vai ser complicada de se conquistar!

Nenhum comentário
Faltam caracteres.

aviso

União Estável
24 de janeiro de 2013
Gay no discurso presidencial
Enviado por Lucia Miranda

Pela primeira vez na história dos Estados Unidos aparece a palavra gay no discurso inaugural do Presidente. Barack Obama surpreendeu ao fazer menção aos ‘nossos irmãos e irmãs gays’, logo após seu juramento com a mão esquerda sobre a bíblia. Até agora, seis Estados norte americanos e Washington já legalizaram o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

No Brasil, a questão deveria ser mais simples pois a futura lei sobre diversidade de sexos, que tramita no Congresso Nacional, vale para todos os estados. O problema é que há muita discussão sobre os excessos do texto, como quotas em empresas, banheiro público comum e a alteração dos nomes pai e mãe da certidão de nascimento.

Enquanto a lei não sai do armário, o Supremo Tribunal Federal equiparou a relação homoafetiva à união estável. E como a Constituição Federal estimula a conversão da união estável em casamento, por tabela, o STF acabou permitindo o casamento gay.

Com isso, os Tribunais de Justiça Estaduais, através de suas Corregedorias, já começaram a impor aos cartórios de registro civil a habilitação para o casamento homoafetivo, como é o caso de São Paulo, Piauí e Mato Grosso do Sul. Nesses estados, os casais do mesmo sexo já podem se casar sem recorrer ao judiciário.

Pelo visto, o arco íris ainda está desbotado. Com o pouco azul e vermelho norte americano e o nosso verde e amarelo, já está valendo o casamento entre pessoas do mesmo sexo em alguns estados. Em outros, é só uma questão de tempo. Que sejam todos felizes.

Nenhum comentário
Faltam caracteres.

aviso

Filiação
7 de novembro de 2012
Quem diria, Michelle Obama…
Enviado por Lucia Miranda

Michelle Obama se casou com um homem negro, pobre, a quem Arnaldo Jabor mal comparou com um vendedor de amendoim ao lado do típico americano Mitt Romney. Mas, apesar das dificuldades financeiras, Obama nunca se acomodou e orgulhava-se do pouco que tinha: “Ele ia me buscar num carro que estava tão velho que eu conseguia ver a estrada através de um buraco na porta do lado do passageiro”. “Ele era o rapaz que tinha muito orgulho de uma mesa de café que encontrou no lixo e cujos únicos sapatos decentes eram meio número abaixo do dele”

A primeira dama jamais imaginou que seu marido um dia seria eleito ‘The President of the United States of America’ e afirma que tal conquista trouxe mudanças positivas para a sua família, mas o dia a dia, o cuidado com as filhas, seus valores e princípios, continuam os mesmos: “Ser presidente não muda quem nós somos. Pelo contrário, revela quem nós somos. Quando as pessoas me perguntam se estar na Casa Branca mudou o meu marido, eu posso honestamente  dizer que a nível do seu caráter, das suas convicções, e do seu coração, o Barack Obama é o mesmo homem por quem me apaixonei há muitos anos”.

Juntos, construíram uma família, superaram dificuldades comuns entre casais e hoje se amam, mais do que antes: “Amo mais o meu marido agora do que há quatro anos, ainda mais do que há 23 anos, quando nos conhecemos”.

Para seguir a linha deste site, o certo seria avaliar efeitos jurídicos do casamento de Michelle e Obama, a começar pela mudança do nome das esposas que se despersonalizam para adotar o nome dos maridos, ou então abordar questões patrimoniais da família, já que os bens do casal foram adquiridos durante o casamento, e por aí vai. Mas, não! Infelizmente a lei não fala de amor, e o direito pouco enfrenta este assunto, quando muito, afeto. Este post serve para homenagear a família Obama e alertar que coisas boas também acontecem nas melhores famílias!

(Frases de Michelle Obama tiradas do discurso na Convenção Nacional Democratas, Charlotte, Carolina do Norte, em 04 de setembro de 2012)

 

Faltam caracteres.

aviso

  1. Neilde Guimarães disse:

    Parabéns pela feliz abordagem.

  2. Oi Lucia, é bom também mostrar coisas boas né… ou digamos mais LIGHTs, e a propósito, discordo um pouco de que as mulheres se DESPERSONALIZAM quando se casam e adotam o nome do marido. Na verdade, quando me casei da primeira vez, achei isso, nao alterei meu nome. Agora, nao sinto mais o meu nome descaracterizado e sim, complementado, sinto-me como tivesse nascido Busch, simplesmente porque é o cara (nao perfeito, pois ninguém o é), e dai o nome encaixa direitinho…como uma peca de Lego. Parabéns pelo o website!

    • Lucia Deccache disse:

      Olá Ana Lúcia, também vejo pontos positivos em adotar o nome do marido, principalmente pela identidade com o sobrenome dos filhos. Mas, ainda assim, acho um resquício de uma cultura que privilegiava o homem como figura central da família, apesar das mudanças. Sua opinião é muito importante, pois quem tiver dúvidas em alterar o nome, poderá ver os dois lados para uma melhor decisão. Ótima contribuição.