Nenhum banner cadastrado


Seus Direitos

Dicas jurídicas sobre diversos temas de direito de família em linguagem acessível para uma decisão segura.

Conte seu Caso

Quem nunca passou por um problema familiar? Sua experiência pode ajudar outras famílias.

Clique Aqui
blog
Prazer em te conhecer, Pai

O ator Caio Blat passou doze anos privado de conviver com seu filho Antonio. Sua ex mulher, Ana Ariel, insatisfeita com [...]

Leia Mais
A Guarda Compartilhada reduz o valor da pensão? E agora, Lúcia?
 

Blog

  • por Lucia Deccache
  • Enquete
  • O que vc faria se amasse alguém fora do casamento?
    Loading ... Loading ...
Filiação
30 de setembro de 2014
B. Bardot… Mulher nota mil?
Enviado por Lucia Miranda

Brigitte Bardot acaba de completar oitenta anos de idade. Apesar da perfeição como mulher, falhou como mãe… não de seus animais, mas de seu único filho declaradamente rejeitado.

Em sua biografia autorizada, publicada em 1996, Brigitte menciona que preferia ter dado à luz um cão do que ter parido seu filho, referiu-se à maternidade como um tumor cancerígeno e, após o divórcio, entregou o filho Nicholas ao pai, sem qualquer dedicação afetiva ou financeira. Além disso, a atriz declara que tentou abortar com socos na barriga, mas não conseguiu. Durante a gestação também tentou o suicídio.

A ofensa declarada chegou aos tribunais a pedido do filho, juntamente com seu pai. Ambos queriam direitos sobre o lucro do livro, mas o tribunal francês condenou Brigitte a pagar $26 mil para o ex-marido e $17 mil para o filho de indenização por dano à honra e exposição da privacidade.

No Brasil, muito se discute sobre o direito de expor a vida alheia em uma biografia, pois há histórias que não se contam sem mencionar terceiros. Porém, se houver dano à honra, devidamente comprovado, aí sim, cabe indenização. Mas o abandono afetivo é uma questão consolidada nos tribunais. Isso não significa que se pretende obrigar alguém a amar um filho, isso não dá. Contudo, como bem afirmou a Ministra do STJ Nancy Andrighi: “Amar é faculdade, cuidar é dever!”. É com base nisso que muitos pais que se negaram a cuidar dos filhos vêm sendo condenados por abandono afetivo…

Conclusão: o rapaz está casado, tem duas filhas que não conhecem a avó. Brigitte está só, cercada de cães e gatos… cada um com a família que escolheu.

 

por Lúcia Miranda

Escritório Agree

Faltam caracteres.

aviso

  1. LAURA disse:

    é difícil agente acreditar que isso possa acontecer ou que ela nao tenha sofrido algo para agir assim,,, mas na verdade existe. eu conheço uma pessoa que a mãe a detesta desde a infancia. Sempre foi um sofrimento para essa minha amiga entender o porquê de tanta rejeição. Até hoje é assim… rejeição mosntro, do nada!!

Guarda e Visitas
13 de março de 2013
Qual a cor do pó branco de Chorão?
Enviado por Lucia Miranda

A morte do vocalista da banda Charlie Brown Junior foi anunciada com ênfase na cor do pó branco encontrado ao lado de Chorão, tão relevante como a cor do cavalo branco de Napoleão.

Ora, se não podiam dizer cocaína antes da perícia, melhor não terem dito nada… ou seria o talco do Chorão?

Não vou adentrar no explorado depoimento da ex-esposa, sofrida, que na tentativa de se eximir da culpa pela morte, acabou responsável por matar o pouco que ainda restava ao ídolo: a sua imagem. Prefiro focar na relação de pai e filho.

É bom ficar claro que o uso de drogas é motivo relevante para a perda da guarda dos filhos e pode até justificar a suspensão de visitas.

Neste caso, a mãe que detém a guarda deve fazer com que o filho compreenda o desvio paterno. Pode até suspender as visitas se houver algum risco momentâneo, mas deve trabalhar para que o filho ame o pai, com todos os seus defeitos, e estenda a mão ao invés de virar-lhe as costas.

A solidariedade na relação familiar pode transformar a cocaína numa lição de não fazer e essa foi a bonita mensagem deixada pelo filho de Chorão, Alexandre.

Pena que isso não dá Ibope…

Faltam caracteres.

aviso

  1. roberta sant anna disse:

    ñ sou a favor mais tem uma pessoa q conheço q é um grande pai e nunca deixou nada faltar ao filho…é responsavel e carinhoso e tem a guarda do filho desde q ele era pequeno pois a mãe o abandonou e infelismente ele tem esse vicio…sei q esse é um caso isolado q nem sempre é assim mais só quero com isso dizer q ñ podemos julgar as pessoas pelo vicio temos sim tentar ajudar a se livrarem dele mais sem julgar pois tem muitos q trabalham e tem uma vida digna mais ñ conseguem se livrar da droga…pense um pouco ñ julgue em vez disso tente ajudar a fazer essas pessoas a enchergar q isso só faz mal

  2. 1985 disse:

    Se as drogas fossem algo raro na sociedade o narcotráfico não teria o poder de um estado paralelo.
    A discriminação ao usuário de drogas causa um efeito bola de neve, pois a ausência dos familiares é suprida por um uso mais freqüente da droga.
    Fato é que assim como existem alcoólatras e pessoas que bebem e não passam por problemas em relação a isto, também existem pessoas que usam drogas sem que estas cheguem a ser um transtorno.
    Alguns desenvolvem compulsão por comidas, compras, sexo e outros por drogas.
    Assim como o problema não é com a comida, o capitalismo e o sexo, também não está na droga