Nenhum banner cadastrado


Seus Direitos

Dicas jurídicas sobre diversos temas de direito de família em linguagem acessível para uma decisão segura.

Conte seu Caso

Quem nunca passou por um problema familiar? Sua experiência pode ajudar outras famílias.

Clique Aqui
blog
O custo de ser princesa

 O polêmico príncipe Harry se encantou pela atriz Meghan Markle e sua carreira pode estar com os dias contados caso ela [...]

Leia Mais
A Guarda Compartilhada reduz o valor da pensão? E agora, Lúcia?
 

Blog

  • por Lucia Deccache
  • Enquete
  • O que vc faria se amasse alguém fora do casamento?
    Loading ... Loading ...
Filiação
25 de junho de 2013
Dos filhos deste solo, sem mãe gentil…
Enviado por Lucia Miranda

Faltam vozes de crianças nos manifestos de rua! Será que seus direitos estão plenamente efetivados ou será que lhes falta o direito de expressão?

Meu grito é por elas! Pelas oitenta mil crianças abrigadas, abandonadas pelas famílias, pela sociedade e pelo Estado.

É hora de espernear, de fazer manha, de chorar, implorar, se jogar no chão, bater as pernas, fazer pirraça, perturbar… e não me venham com chupetas para calar esse clamor, com lei de adoção para dizer ao povo que o cadastro nacional de adotantes e adotados resolveu o problema, se a maioria de nossos pequenos cidadãos sequer tem direito ao cadastro por falta de estrutura e baixo número de promotores para destituir o poder familiar dos pais ausentes.

Sim, porque só podem exercer o direito de conviver numa família (substituta que seja) se seus pais forem excluídos das certidões de nascimento e só quem pode fazer isso é o Ministério Público e o juiz. Das oitenta mil crianças abrigadas no Brasil, apenas oito mil estão cadastradas para a adoção, sendo que existem trinta mil pessoas registradas para exercer a paternidade adotiva, um verdadeiro desperdício de amor…

Esse é o grito mais alto, o da criança abandonada nos abrigos, sem a oportunidade de exercer o simples direito de viver num lar, numa família, o direito de amar e ser amado. O grito da criança que não nasceu em berço esplêndido, que em seu futuro não espelha qualquer grandeza e que apesar de ser filho deste solo, não há mãe gentil, nem pai, nem sociedade, nem governo e nem Brasil!

Essa é a minha pauta!

Nenhum comentário
Faltam caracteres.

aviso

Filiação, Pensão Alimentícia
20 de junho de 2013
O filho com nome de santo
Enviado por Lucia Miranda

O filho do cantor Renato Russo vai assumir todo o patrimônio do pai. Giuliano Manfredini é filho biológico de uma ex-namorada do cantor da Legião Urbana, que o adotou. Só que a genitora faleceu e os pais de Renato Russo ficaram com a guarda do menino, devido à falta de tempo do cantor para criá-lo.

Com a maioridade, o filho com nome de santo passará a administrar sua herança, que foi excessivamente preservada pelos avós, e já avisou que vai ressuscitar a memória do pai.

Bom, se Renato Russo não deixou testamento para seus pais, caberá a Giuliano a generosidade do sustento dos avós que dedicaram suas vidas à sua criação e preservação dos bens que agora lhe pertencem.

Se o santo ficar só no nome, é possível o pedido de pensão alimentícia pelos avós se comprovada a necessidade e a ausência de outros filhos com condições para suportar a despesa. Neste caso, pode sobrar para o neto afortunado.

Infelizmente, no direito de família é assim: É preciso amar as pessoas como se houvesse o amanhã.

Nenhum comentário
Faltam caracteres.

aviso

14 de junho de 2013
Arma de Cachoeira é ventilador
Enviado por Lucia Miranda

Bastou a esposa Andressa Mendonça ficar magoada por ter sido excluída da lista de presença de um evento organizado pela primeira-dama do Estado de Goiás, que Carlos Cachoeira tomou suas dores e arrumou aquele tão esperado motivo para fazer ameaças aos colegas que o apunhalaram quando mais precisava deles.

Cachoeira avisou que se atingirem novamente sua mulher vai abrir sua ‘caixa de Pandora’ e espalhar aonde estão “as principais sangrias dentro desse governo”.

Melhor mesmo defender a esposa e aproveitar ao seu lado o tempo que lhe resta em liberdade, mas ainda há esperança… aquela que Pandora prendeu no jarro, aquela que Cachoeira usa contra seus comparsas, aquela que o brasileiro já perdeu há muito tempo.

Nenhum comentário
Faltam caracteres.

aviso