Nenhum banner cadastrado


Seus Direitos

Dicas jurídicas sobre diversos temas de direito de família em linguagem acessível para uma decisão segura.

Conte seu Caso

Quem nunca passou por um problema familiar? Sua experiência pode ajudar outras famílias.

Clique Aqui
blog
O custo de ser princesa

 O polêmico príncipe Harry se encantou pela atriz Meghan Markle e sua carreira pode estar com os dias contados caso ela [...]

Leia Mais
A Guarda Compartilhada reduz o valor da pensão? E agora, Lúcia?
 

Blog

  • por Lucia Deccache
  • Enquete
  • O que vc faria se amasse alguém fora do casamento?
    Loading ... Loading ...
Filiação
30 de abril de 2013
Craque só de bola…
Enviado por Lucia Miranda

Recentemente, Romário criticou Pelé por ter negado a paternidade da própria filha durante trinta anos e, após o reconhecimento forçado, não compareceu ao enterro dela – “e ainda se diz católico…”

De fato, nesse jogo da vida Pelé deixou a desejar. Driblou a própria filha e, no final do último tempo, tomou um golaço sem ter a humildade de cumprimentar o adversário no leito de morte.

Bom, mas isso não faz do inimigo número 11 um craque neste jogo, pois já bateu na trave várias vezes no quesito família.

O tempo passou, e nada como um terno e gravata para moralizar a imagem e apagar o passado, exceto quando um desafeto baixinho fica zumbindo no Twitter, o que nos faz lembrar o chute do rei que, pela primeira vez na história, a torcida vaiou.

Está cada vez mais difícil fugir da paternidade, pois quem se nega a fazer o exame de DNA é presumidamente o pai. Antes era entendimento do STJ (súmula 301) e hoje é lei!

Sandra teve dez anos de vida com a paternidade declarada pela justiça, mas sem o que ela verdadeiramente buscou, o amor do pai. Decepcionada, tentou compor o sofrimento com a indenização pelo abandono afetivo, mas não obteve êxito. A justiça entendeu que Pelé não podia pagar pelo que não conhecia, pois não se abandona o que não se conhece.

E qual a desculpa para o cartão vermelho aos netos, filhos de Sandra? Dois meninos fanáticos por futebol, pelo Santos e pelo avô, rei dos perebas quando o assunto é amor… se é que me entendem.

Faltam caracteres.

aviso

  1. Antonio de Pádua disse:

    É quase uma verdade! Pelé deveria ter sido mais prudente. Mas atrás da jovem desamparada que faleceu de câncer (quase canonizada pela imprensa) poderia haver um companheiro inescrupuloso, sedento por dinheiro e que estimulou atitudes inadequadas na vida pessoal e na vida política (como vereadora de Santos) da jovem desamparada…(?). Até na sua morte tentou tirar proveito com a clínica que a tratava…E aí, o companheiro ainda é pai dos meninos e continua como um lobo faminto atrás do dinheiro fácil. Mas Pelé errou!

  2. Fábio da Cunha disse:

    Logo o Brasil deixará de ser apenas o país do futebol. Seremos outros país. Com outros valores e interesses. E quando isto acontecer atitudes como do Sr. Edson Arantes do Nascimento(negar sua paternidade) e toda sua façanha no futebol será esquecida. E sobrará apenas a mesquinhez do seu ato contra uma filha que era sua própria fotocópia. Viva e verás!!!

Pensão Alimentícia
25 de abril de 2013
STJ decide quem vai pagar o pato…
Enviado por Lucia Miranda

Nesta semana, o STJ condenou Alexandre Pato a pagar uma dívida alimentícia em favor de sua ex-esposa Sthefany Brito, cujo divórcio ocorreu em 2010. Mas por que só agora? Bem, antes de rotular a moça de golpista ou o rapaz de pão-duro, vamos tentar entender como a banda toca:

O jovem casal celebrou um pacto antenupcial que, com o fim do casamento, fez a atriz voltar ao Brasil com uma mão na frente e outra atrás, tendo que recuperar o tempo perdido na carreira.

O problema é que Pato ofereceu judicialmente para a moça a ‘esmola’ de cinco mil reais mensais até que ela se restabelecesse profissionalmente. Foi cutucar a cobra, levou o bote, pois Sthefany conseguiu provar que recebia do ex-marido cinquenta mil reais mensais e ganhou a ação no tribunal do Rio, em que o juiz determinou o período de 18 meses como o tempo necessário para a atriz voltar ao mercado de trabalho.

No direito, chamamos de alimentos temporários o valor recebido pela ex-esposa com capacidade de trabalhar mas que se dedicou à família e, com o divórcio, precisa de um tempo para voltar à vida profissional. Em regra, os juízes determinam o prazo de um a dois anos, tudo a depender do caso concreto.

Como Pato não pagou a pensão integralmente no período do recurso, agora vai ter que desembolsar o que faltou, acrescido de juros, apesar da atriz já ter voltado com tudo ao trabalho.

Enfim, os rapazes afortunados devem saber que esbanjar a dois pode ter consequências. Que isso sirva de exemplo para os demais…

Nenhum comentário
Faltam caracteres.

aviso

20 de abril de 2013
Vaia para Gerald!
Enviado por Lucia Miranda

O diretor de teatro Gerald Thomas usou e abusou da liberdade de expressão, sem qualquer censura, ao tocar no fruto não tão proibido da ex paniquete Nicole Bahls. O episódio não causaria tanto alvoroço se envolvesse duas pessoas do mesmo sexo e seria caso de polícia se o ato libidinoso fosse praticado por um Geraldo qualquer, negro e pobre.

O artista justifica a sua conduta pela forma de vestir e se comportar da moça. Pelo menos ele é sincero. Tarado, mas sincero.

Antigamente, a família da moça solteira não admitiria tal ousadia e sociedade se revoltaria contra o artista, cujos aplausos se tornariam vaias com tomates.

Os tempos mudaram, o tomate está caríssimo e as mulheres sem nenhum valor.

Vai entender…

Nenhum comentário
Faltam caracteres.

aviso