Nenhum banner cadastrado


Seus Direitos

Dicas jurídicas sobre diversos temas de direito de família em linguagem acessível para uma decisão segura.

Conte seu Caso

Quem nunca passou por um problema familiar? Sua experiência pode ajudar outras famílias.

Clique Aqui
blog
O custo de ser princesa

 O polêmico príncipe Harry se encantou pela atriz Meghan Markle e sua carreira pode estar com os dias contados caso ela [...]

Leia Mais
A Guarda Compartilhada reduz o valor da pensão? E agora, Lúcia?
 

Blog

  • por Lucia Deccache
  • Enquete
  • O que vc faria se amasse alguém fora do casamento?
    Loading ... Loading ...
Divórcio, Pensão Alimentícia
25 de maio de 2012
Dane-se a pensão!
Enviado por Lucia Deccache

Foi-se o tempo em que mulheres separadas eram discriminadas pela sociedade. Houve época em que elas perdiam a guarda dos filhos e não podiam votar. Somente as casadas (com autorização do marido), as viúvas e as solteiras com renda própria tinham esse privilégio. Só a partir de 1976, os casamentos fracassados puderam ser desfeitos regularmente, possibilitando o suspiro de liberdade do encargo de viver com quem não se ama, mas, apesar do habeas corpus familiar, elas continuavam reclusas, envergonhadas do status de DESQUITADAS.

Hoje, o grito de liberdade das mulheres separadas ecoa nos lares alheios, deixando as esposas reclusas em seus casamentos mornos, com água na boca. Mas, atenção! Um conselho às separadas ou divorciadas que recebem pensão alimentícia: namorar pode (e deve!), mas, se misturarem as escovas de dente, seja pelo casamento ou união estável, o ex-marido pode cortar seu sustento através da Ação de Exoneração de Alimentos. Claro que não é o caso da nada envergonhada Claudia Raia (foto), que divorciada e com renda própria, dá inveja sim!

Nenhum comentário
Faltam caracteres.

aviso

Famílias Múltiplas, Traição
25 de maio de 2012
Morgan Freeman vai casar com a neta?
Enviado por Lucia Deccache

Há rumores deque o ator Morgan Freeman vai se casar com a neta de criação! Na verdade, E’Dena é neta de sua primeira esposa que, após a separação, Freeman levou para criar durante o segundo casamento. De acordo com os tabloides americanos, desde os dezessete anos de idade a jovem e seu avô (quarenta e cinco anos mais ‘maduro’) mantêm relação amorosa, escondidos da imprensa e, é claro, da esposa, duplamente traída.

No Brasil, Freeman não seria, digamos, tão free assim, pois o vínculo jurídico entre ele e a neta de sua ex-mulher tem o nome técnico de afinidade que, por ser em linha reta, impede o casamento. E o vínculo por afinidade surge da relação entre o cônjuge (ou companheiro) com os parentes do outro, sendo que, uma vez afim, o será por toda a vida, mesmo após a separação. É o caso da sogra, dos filhos e netos de um dos cônjuges, tratados da mesma forma quanto ao impedimento de casar. Entre os famosos de Hollywood já assistimos a casamento de pai com a filha adotiva, agora de avô com a neta… quero ver quem vai encarar a sogra…

Nenhum comentário
Faltam caracteres.

aviso

Filiação
25 de maio de 2012
Em respeito à infância de Xuxa
Enviado por Lucia Deccache

Em surpreendente declaração, Xuxa confessa ter sido abusada sexualmente antes dos treze anos de idade e se sente culpada por isso. Afirma que não sabia a quem recorrer, pois era a palavra dela contra a de um adulto. Cita que praticou ato sexual com o melhor amigo de seu pai, com um candidato a avô afetivo e um professor.
Culpá-la? Vejamos: A via crucis para provar tal crime envolvia desde o comparecimento à delegacia para lavrar um registro de ocorrência, ao imediato encaminhamento ao Instituto Médico Legal, para a perícia dos vestígios, chegando à eventual coleta de sêmen, resultante da cópula, não obstante a coragem de divulgar o fato perante a família ou diante de uma sociedade cruel e hipócrita. E não venham dizer que não somos cruéis, pois se aos cinquenta anos a rainha dos baixinhos recebe inúmeras críticas na mídia e nas redes sociais sobre sua declaração, imagine se tivesse declarado isso aos treze, sem os avanços jurídicos e longe do poder que hoje lhe pertence.
Há algum tempo, mesmo nos casos em que a adolescente e sua família venciam as barreiras da discriminação, os réus desse crime acabavam absolvidos do crime de estupro, por provarem o consentimento da jovem menor de quatorze anos, contando com sua fragilidade no depoimento pessoal, o que afastava a presunção da violência, conforme recente decisão do STJ por crime praticado antes da Lei 12.015/2009.
Após a nova lei, o ato sexual praticado com uma criança ou adolescente de até 14 anos, menina ou menino, configura estupro de vulnerável, sendo indiferente o seu consentimento. Ora, se não podem votar, não podem contratar, porque poderiam consentir para o sexo ou ato libidinoso?
Ainda assim, diriam alguns: – Essa menina merecia umas boas palmadas!
Opa, palmada não pode! – E sexo pode?!
A lei evoluiu. A sociedade, pelo visto, ainda precisa evoluir…

Faltam caracteres.

aviso

  1. Márcio SIlva disse:

    Belíssima matéria! Xuxa foi um dos milhões de exemplos! Questionada e injustiçada , ela passou o que muitas passaram na infância! Estou pasmo, pois soube verbalmente que o mesmo estuprador fora quem também cometera um delito desta natureza com uma não revelada amiga de infância de Xuxa! Dizem que este cometera suicídio. A pedofilia “grita” ao extremo neste País até os dias de hoje.