Tom Cruise x Katie Holmes

O divórcio de Tom Cruise e Katie Holmes foi rápido e unilateralmente premeditado, sem render muito à mídia de fofoca americana. Katie se mudou para Nova York com sua filha, a pretexto de um trabalho. Lá fixou seu domicílio visando a propositura do divórcio naquele Estado, pois temia enfrentar o Tribunal da Califórnia por já ter concedido a Tom Cruise a guarda exclusiva de seus filhos adotivos contra a mãe, Nicole Kidman.

No Brasil, a lei determina que “se não houver acordo entre a mãe e o pai quanto a guarda do filho, será aplicada, sempre que possível, a guarda compartilhada.”

Essa ressalva do “sempre que possível” é perfeitamente aplicável quando o casal apresenta divergência de crença ou qualquer outra característica que os impede de decidir de forma compatível sobre a criação dos filhos.

No caso, Tom Cruise exige a educação dos filhos de acordo com sua estranha religião: a Cientologia. Katie quer que a filha tenha uma vida normal, permitindo frequentar escola com outras crianças de sua idade, já que Suri atingiu a idade escolar. Além disso, Katie não aguentava mais ser fiscalizada por cientologistas dentro de sua casa, de onde se extraíam relatórios comportamentais.

Paparazzi? Ela acabou tirando de letra…

O grito de liberdade de Katie Holmes acabou mudando o “tom” de sua vida: ela conseguiu a guarda exclusiva de Suri e uma pensão de U$400 mil  anuais para a filha, mas não recebeu parte da fortuna por força do pacto antenupcial de separação de bens.

Desta vez, Cruise enfrentou sua verdadeira Missão Impossível, salvou seus U$250 milhões, mas ficou sem a sua grande riqueza!