Nenhum banner cadastrado


Seus Direitos

Dicas jurídicas sobre diversos temas de direito de família em linguagem acessível para uma decisão segura.

Conte seu Caso

Quem nunca passou por um problema familiar? Sua experiência pode ajudar outras famílias.

Clique Aqui
blog
O custo de ser princesa

 O polêmico príncipe Harry se encantou pela atriz Meghan Markle e sua carreira pode estar com os dias contados caso ela [...]

Leia Mais
A Guarda Compartilhada reduz o valor da pensão? E agora, Lúcia?
 

Blog

  • por Lucia Deccache
  • Enquete
  • O que vc faria se amasse alguém fora do casamento?
    Loading ... Loading ...
Divisão de Patrimônio
20 de novembro de 2012
Pobre homem Rico
Enviado por Lucia Miranda

Rico Mansur vem dizendo que é pobre, mora em apartamento alugado e está pagando as prestações de seu automóvel ano 2008. Coincidentemente, está de casamento marcado com a modelo Cintia Dicker (foto), tudo de acordo com a revista Glamurama deste mês.

De fato, alguns noivos usam meios pouco convincentes para dizer que não querem partilhar seus bens em eventual divórcio. Por outro lado, começar uma união já dizendo de cara que não quer partilhar nada, pode causar abalo já no início da relação.

Para evitar que tenham que escolher entre o tudo ou nada, é possível temperar alguns regimes de bens através do pacto antenupcial, o que permite separar alguns bens que não pretendem partilhar (regime de separação de bens), de outros que pretendem dividir durante a relação (regime de comunhão parcial de bens), tudo conforme as características de cada casal. Assim, os bens destinados ao trabalho e investimentos financeiros, podem ficar fora da divisão, e os demais, como bens de uso familiar, imóvel residencial, automóveis, dentre outros, podem ser partilhados, sem o prematuro abalo dos noivos e a posterior angústia de quem se dedicou mais às tarefas domésticas ou aos filhos e saiu sem um centavo.

Com isso, ninguém vai precisar usar máscara de pobre ou tirar a de Rico.

Pobres homens ricos…

Faltam caracteres.

aviso

  1. Luís Maurício M. Guimarães disse:

    Show! Que bela fonte de informações esse blog. E que formato interessante essa composição acadêmica de direito de família com crônica da vida real. Muito esclarecedor, parabéns!