Foi-se o tempo em que mulheres separadas eram discriminadas pela sociedade. Houve época em que elas perdiam a guarda dos filhos e não podiam votar. Somente as casadas (com autorização do marido), as viúvas e as solteiras com renda própria tinham esse privilégio. Só a partir de 1976, os casamentos fracassados puderam ser desfeitos regularmente, possibilitando o suspiro de liberdade do encargo de viver com quem não se ama, mas, apesar do habeas corpus familiar, elas continuavam reclusas, envergonhadas do status de DESQUITADAS.

Hoje, o grito de liberdade das mulheres separadas ecoa nos lares alheios, deixando as esposas reclusas em seus casamentos mornos, com água na boca. Mas, atenção! Um conselho às separadas ou divorciadas que recebem pensão alimentícia: namorar pode (e deve!), mas, se misturarem as escovas de dente, seja pelo casamento ou união estável, o exmarido pode cortar seu sustento através da Ação de Exoneração de Alimentos. Claro que não é o caso da nada envergonhada Claudia Raia (foto), que divorciada e com renda própria, dá inveja sim!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *